‘Raters’ gonna rate – Um péssimo trocadilho sobre a redução do rating brasileiro

11 de setembro de 2015 - por Ação Jovem

  • A agência de rating (classificação de risco) Standard & Poor’s reduziu a nota de risco do Brasil de BBB- para BB+ e, pela reação do mercado, isso parece ruim. Mas, na prática, o que isso significa e como impacta o dia a dia?


    Para responder a essa questão, primeiro é importante saber o que é essa classificação de risco de crédito.

    Funciona assim: todo investidor está buscando a melhor oportunidade que conseguir, ou seja, tentando achar uma aplicação em que o ganho seja bom e certo (na medida do possível). Um jeito de avaliar isso é descobrindo se o investimento está sendo feito para um bom pagador.

     

    Por exemplo, imagine que você tem mil reais para emprestar para alguém e receberá de volta R$ 1500. Mas, você tem que escolher entre emprestar para alguém que tem nome sujo no Serasa ou alguém que já fez 30 crediários nas Casas Bahia e pagou todos em dia. Para quem você emprestaria?

     

    As agências de classificação de risco não são o Serasa, mas dão uma referência para os investidores saberem quais países são mais ou menos seguros para se emprestar dinheiro (e ganhar juros por isso, é claro).

     

    Quando a Standard & Poor’s rebaixou a nota do Brasil, além de obviamente dizer que o Brasil já não é mais tão seguro quanto já foi, ela acrescentou um problema adicional: a nota anterior garantia o Grau de Investimentos ao Brasil, um selo de qualidade que alguns grandes fundos de investimento exigem para investir em um país. Normalmente, eles precisam que pelo menos duas agências das três principais (as outras são a Fitch e a Moody’s) retirem o selo de bom pagador para abandonar um país, mas a preocupação é que pelo menos o primeiro passo para perder o Grau de Investimento de vez já foi dado.

     

    ‘Que lixo de país’

    A expressão usada para títulos emitidos por países que não tem grau de investimento é bastante pejorativa, ‘junkie’, que pode ser traduzida como ‘lixo’.

    Leia +

Cresce participação de pessoas físicas em ETFs. Você vai ficar de fora?

9 de março de 2012 - por Ação Jovem