Aprenda a Investir

Você é daqueles que têm dificuldade para se organizar e fazer sobrar dinheiro no fim do mês?

Ou tem dinheiro mas não sabe onde investir? Ou já investe mas quer aumentar os ganhos?

Encontre o perfil que mais combina com você e saiba como buscar o melhor retorno em seus investimentos.

Não sobra dinheiro no fim do mês

Todo fim do mês é aquela agonia pra saber se vai sobrar dinheiro.
Sempre aparece alguma despesa inesperada que quebra o orçamento.

Você se identifica com essas afirmações?

Isso pode significar que está faltando planejamento financeiro no seu mês. Para se investir em ações, é fundamental ter uma visão precisa dos próprios ganhos e despesas. Assim, pode-se controlar melhor as finanças e seguir uma disciplina adequada aos seus objetivos.

A melhor forma de começar esse processo de organização é manter um registro completo de suas receitas, gastos e investimentos mensais.

Para isso, não existe uma ferramenta universal – cada pessoa tem necessidades e características próprias. Porém, existem alguns modelos de documento que podem ajudar nessa organização de maneira simples e rápida. Uma delas é a Planilha de Orçamento Pessoal

baixe aqui a planilha.

Boa sorte em sua organização pessoal e continue acompanhando aqui no site as novidades do mercado financeiro e nossas dicas especiais de como fazer bons investimentos em ações.

Se você acha que já está preparado para começar os investimentos, veja como em nosso artigo “Entenda Melhor o Mercado de Ações“.

Conheça aqui o simulador da BMF&Bovespa e aprenda na prática a investir no mercado de ações.

Não invisto porque acho arriscado

Antes de se aprofundar no mercado de ações, conheça seus principais riscos e benefícios.

Entenda melhor o mercado de ações

Antes de se lançar no mundo dos investimentos, é importante você ter uma organização financeira equilibrada (veja aqui como melhorar a sua) e conhecer os riscos e possibilidades do mercado.

Por que investir?

Atualmente, a maior parte dos investidores tem o mesmo objetivo: obter maiores ganhos nos investimentos. Para se atingir esse objetivo, existe um enorme número de possibilidades no mercado, mas cada uma adéqua-se a um perfil diferente de investidor – que vai desde o mais agressivo até o mais conservador.

Mas uma coisa não muda: em geral, não se faz um investimento hoje para sair dele amanhã. Um investidor deve entender a compra de ações como a compra de um bem – por exemplo um carro ou uma casa.

Ele pode optar por aplicações que funcionariam como uma “poupança” a longo prazo, tendo riscos menores. Mas, se quiser, pode também buscar retornos significativamente maiores, sabendo que as aplicações desse tipo estão associadas a riscos maiores e prazos também maiores.

Corretoras

Um intermediário financeiro (Corretora) dispõe de profissionais especializados, capacitados a dar orientações sobre investimentos, receber ordens dos investidores e transmiti-las aos operadores qualificados por ele – que têm acesso ao sistema de negociação das Bolsas. Por isso, o primeiro passo a ser feito na hora de investir é procurar uma corretora.

Elas podem ajudar você de muitas maneiras:

– Orientação sobre quais ações escolher, de acordo com o seu objetivo financeiro;

– Suporte para entender o funcionamento da Bolsa;

– Definição do seu perfil de investidor;

– Plataforma on-line para você investir pela internet diretamente (saiba mais aqui sobre esse sistema, o Home Broker)

– Entrega de Relatórios de recomendação de ações, informativos, etc.

– Assessoria de profissionais especializados em análise de mercado, de setores da economia e de companhias.

– Informações sobre novos produtos no mercado, para garantir a diversificação da sua carteira de investimentos;

– Informações sobre o recebimento de dividendos e outros bônus que as empresas pagam aos acionistas.

No site oficial da Bovespa, existe um sistema de busca que pode ajudar você a encontrar uma corretora que atenda a suas necessidades e objetivos. Encontre a sua: Busca de Corretoras.

Se você já tem uma corretora em vista e quer saber mais sobre as diferentes maneiras de se começar a investir, leia este artigo: Como investir em ações – por onde começar?

Conheça aqui o simulador da BMF&Bovespa e aprenda na prática a investir no mercado de ações.

 

Não sei por onde começar

Qual é a melhor porta de entrada para o mercado de ações?
Tudo depende do seu perfil e objetivos.

Como investir em ações: por onde começar?

Reunimos aqui três maneiras de se começar os investimentos na Bolsa, cada um com suas próprias características. Acompanhe a descrição de cada uma e descubra qual combina melhor com seus objetivos e possibilidades:

1. Clubes de Investimentos

Um clube de investimento é um grupo de amigos, colegas ou pessoas que tenham um interesse em comum onde o investimento é feito coletivamente, com a soma dos recursos dos participantes. Um clube tem no mínimo 3 e no máximo 150 pessoas .

É uma ótima opção para quem quer começar a investir, porque não exige grandes recursos individuais, tem custos menores em relação à contratação de uma corretora individualmente e ajuda a se criar o hábito de investir mensalmente. Com a possibilidade de gerir diretamente o clube, é uma ótima opção para entender e sentir como funciona o mercado, Além disso, com a soma dos recursos dentro do clube, é possível diversificar a aplicação, investindo em ações de diferentes empresas e setores da economia.

No fim de cada período, todos os participantes recebem um descritivo com informações sobre o patrimônio do clube, o número e o valor das cotas, o rendimento do período e a participação do acionista no total do clube.

O primeiro passo para se criar um clube é procurar uma corretora, que poderá tirar todas as dúvidas e dar uma orientação na escolha de quais ações comprar. Todas as decisões do clube são realizadas por meio da corretora. O segundo passo é definir a quantidade e o valor de cada cota do clube, lembrando que nenhum participante pode ter mais que 40% das cotas.

Uma vez que tudo estiver definido, a corretora faz o registro do clube na Bolsa e ele já pode começar a investir. Para sair também não há burocracia, é só o participante pedir o desligamento que ele recebe de volta o valor atual de suas cotas.

2. Home Broker

O sistema de Home Broker é uma maneira democrática de investir em ações diretamente pela internet – estima-se que mais de 200 mil pessoas no Brasil utilizem hoje esse sistema, que tem uma história relativamente recente no país.

Qualquer indivíduo pode comprar ações pela internet, não é necessário formar grupos nem ter um valor mínimo para iniciar a aplicação. Basta que entre no site de alguma corretora que ofereça on-line esse acesso às negociações das Bolsa, onde você pode comprar e vender ações.

Por não haver um consultor técnico na hora de fazer as aplicações (como no caso do clube de investimentos), esse sistema exige que o conhecimento do investidor seja um pouco maior, para que ele saiba o que está fazendo com o dinheiro. Hoje, existem algumas corretoras que oferecem inclusive serviços de consultoria on-line com analistas, serviços que podem ser gratuitos ou cobrados, havendo taxas variadas. Tudo depende da corretora escolhida – para saber como escolher a sua, clique aqui.

3. Fundos de Investimento

Os fundos de investimento funcionam como um grupo que junta seus recursos e investe em conjunto, buscando objetivos comuns. A diferença para os clubes de investimento é que os fundos não precisam ser formados por afinidade e não há limite mínimo ou máximo de participantes.

Além disso, a possibilidade de gestão direta que pode acontecer nos clubes não se aplica nesse caso – os fundos têm sua gestão feita necessariamente por instituições financeiras autorizadas pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Seja qual for o método de investimento escolhido, saiba como controlar mais de perto suas ações e entenda diferentes estratégias para aumentar seus rendimentos em nosso próximo artigo: Como escolher e controlar mais de perto suas ações.

 

QUERO CONTROLAR MELHOR MINHAS AÇÕES

Que tal se aprofundar nas dinâmicas do mercado e acompanhar ainda mais de perto suas ações?

Como escolher e controlar mais de perto suas ações

Quanto mais você entende as possibilidades e nuances do mercado, mais consegue entender as escolhas feitas por sua corretora e mais consegue intervir diretamente nas decisões de compra e venda de suas ações – podendo mesmo tomar completo controle, aplicando on-line por Home Broker. Para isso, acompanhe algumas recomendações básicas que juntamos aqui para ajudar você nas primeiras escolhas.

Em primeiro lugar, para escolher as ações nas quais investir, você, como investidor, deve colocar na balança três fatores: a liquidez da ação, ou seja, a facilidade de se vender aquela ação quando quiser; o retorno da ação, ou seja, quanto dinheiro você pode ganhar com ela; e o risco da ação, ou seja, quais as chances daquela companhia ter uma queda agressiva no valor de suas ações por conta de alguma notícia inesperada.

Levando isso em conta, vale diversificar suas ações de modo a reduzir os riscos no caso de um acontecimento inesperado, por exemplo. Assim, do total de seus recursos, você deve separar o montante que estará comprometido com gastos de curto prazo e com pagamentos em datas fixas (mais os imprevistos) e destiná-lo a aplicações financeiras de curto prazo ou até mesmo mantê-lo em disponibilidade imediata.

Da parcela destinada ao investimento de médio e longo prazos, poderá destinar parte a aplicações de renda fixa e parte a operações de renda variável (ou seja, uma aplicação cujo rendimento não se conhece com antecedência).

Em princípio, quanto mais conservador, maior a parcela dedicada aos investimentos de renda fixa. Quanto mais agressivo, maior a exposição aos mercados de renda variável. Entretanto, a moderna gestão de fundos e carteiras consegue diminuir as diferenças de relação risco-retorno desses dois tipos de investimento por meio do uso de derivativos, que são instrumentos financeiros cujo valor se baseia em outro ativo, propiciando a montagem de estratégias de proteção (“hedge”) – ou, ao contrário, de alavancagem.

Quando este é realizado com expectativa de retorno de médio/longo prazos, o risco fica menor. Dessa forma, o risco passa a estar condicionado ao desempenho/resultado (lucro ou prejuízo) da companhia dentro de um horizonte temporal mais amplo.

Para conhecer outras definições básicas como o que é Mercado Primário/Secundário; Derivativos; Mercados a Vista, a Termo, de Opções e Futuro; e Ações de primeira, segunda e terceira linha, por exemplo, consulte nosso glossário.

Se você já está familiarizado com os termos e possibilidades e deseja aprimorar seu conhecimento do mercado para melhorar suas análises e opções na hora de investir, vejas as informações sobre os cursos oferecidos pela Ação Jovem.

 

QUERO AUMENTAR MEUS RENDIMENTOS

Há quem prefira subir de vida rapidamente em vez de esperar uma promoção ou deixar
dinheiro na poupança. A bolsa pode deixar você rico, é só entender e aceitar os riscos.

Como aumentar os rendimentos baseando-se em análises do mercado

Se você investe em ações e já conhece as possibilidades e estratégias básicas na hora de investir, que tal aprimorar seu conhecimento em um curso que possibilitará uma análise mais apurada das variações do mercado?

A Ação Jovem oferece, para isso, cursos específicos.

Clique aqui para saber mais!

Os comentários estão desativados.