Novidades

[Economia em Minutos] Veja o que pode mexer com a economia esta semana

22 de janeiro de 2018 - por Ação Jovem sem comentários

  • Destaques do dia
    – Expectativas do mercado para as principais variáveis econômicas ficaram praticamente inalteradas na última semana
    – IPCA-15 no Brasil e PIB dos EUA serão os destaques da Semana
    – Avanço da confiança do empresário industrial em janeiro sinalizou continuidade da recuperação econômica
    – Falta de acordo no Senado dos EUA para a ampliação do limite de endividamento paralisou serviços públicos não essenciais

    Expectativas do mercado para as principais variáveis econômicas ficaram praticamente inalteradas na última semana

    As estimativas para as principais variáveis permaneceram praticamente estáveis, segundo projeções coletadas até o dia 19 de janeiro e divulgadas há pouco pelo Relatório Focus do Banco Central. A mediana das expectativas para o crescimento do PIB deste ano ficou estável em 2,70%, enquanto a de 2019 avançou de 2,80% para 2,99%. As medianas das expectativas para o IPCA deste ano e do próximo foram mantidas em 3,95% e 4,25%, respectivamente, enquanto as expectativas para a Selic no final de 2018 e de 2019 se mantiveram em 6,75% e 8,00%, nessa ordem. No que se refere ao câmbio, a expectativa oscilou de R$/US$ 3,35 para R$/US$ 3,34 para o encerramento de 2018, e ficou estável em R$/US$ 3,40 para o final de 2019.

    Destaques da Semana
    Semana contará com IPCA-15 no Brasil e PIB dos EUA
    O IPCA-15 de janeiro será o principal destaque da agenda econômica doméstica. Projetamos variação de 0,38% para índice, que deverá revelar pressão dos produtos alimentícios neste início de ano, mas um cenário ainda benigno dos núcleos de inflação, favorecido pelo reajuste moderado do salário mínimo neste ano. Na semana, ainda teremos as prévias de janeiro das sondagens do comércio e da construção civil, que deverão mostrar pequena acomodação, e a nota à imprensa do setor externo, de dezembro. Por fim, a ANEEL decidirá a bandeira tarifária para fevereiro; esperamos manutenção no patamar verde e ausência de taxa extra. Ainda existe a possibilidade de divulgação do CAGED de dezembro; esperamos saldo negativo de 420 mil postos de trabalho, o que equivale a algo próximo a +25 mil vagas em termos dessazonalizados.

    A confirmação de um crescimento forte do PIB dos EUA no quarto trimestre e prévia dos PMIs de janeiro serão os destaques da agenda internacional nesta semana. Projetamos crescimento anualizado de 3,5% do PIB norte-americano, reforçando a boa dinâmica da economia. Além disso, teremos as reuniões dos bancos centrais da Europa e do Japão. Para o BCE, esperamos uma leve redução no tom apresentado na última ata. Já para o BoJ, vale ficar atento sobre o posicionamento quanto ao fim dos estímulos.

    Atividade
    – Avanço da confiança do empresário industrial em janeiro sinalizou continuidade da recuperação econômica
    A confiança do empresário industrial avançou na passagem de dezembro para janeiro, de acordo com as pesquisas da FGV e da CNI. A sondagem da FGV, divulgada há pouco, mostrou que o índice de confiança subiu de 99,4 para 99,9 pontos no período, nos dados com ajuste sazonal. A alta foi impulsionada pelo componente de situação atual, que passou de 98,5 para 100,8 pontos, enquanto o de expectativas recuou de 100,3 para 99,0 pontos. Já o nível de utilização da capacidade instalada (NUCI) ficou praticamente estável, ao passar de 74,7% para 74,8%.

    No mesmo sentido, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), divulgado na última sexta-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), avançou 0,7 ponto no período, atingindo 59,0 pontos em janeiro. Houve aumento de 1,0 ponto do índice de expectativas, enquanto o componente de situação atual registrou alta de 0,2 ponto. Vale destacar que quando ajustado pela sazonalidade, esse resultado representa um avanço de 1,6 ponto. Ambas as sondagens estão em linha com nossa expectativa de que a recuperação da atividade econômica deve continuar nos próximos meses.

    Internacional
    – EUA: falta de acordo no Senado paralisou serviços públicos não essenciais
    Na madrugada de sexta-feira para sábado o Senado norte-americano rejeitou a proposta de ampliação do limite de endividamento do governo federal, que havia sido aprovada na Câmara dos Deputados na semana passada. Com a falta de acordo entre Republicanos e Democratas, o placar foi de 50 votos favoráveis à proposta e 49 contrários, diante de uma necessidade mínima de 60 votos a favor. Os Democratas exigiam como contrapartida para votarem a favor um aumento no financiamento do DACA, programa que impede a deportação de imigrantes que entraram no país ainda crianças e que permanecem de forma ilegal no país. Existe a expectativa de que ambos os partidos cheguem a algum acordo temporário para ampliar o limite de endividamento até o dia 8 de fevereiro. Até que haja algum entendimento entre as duas legendas, o governo federal ficará forçado a cortar gastos não essenciais, podendo dar licença não remunerada para alguns funcionários, o que pode afetar a coleta de divulgação de alguns indicadores econômicos no período. Em suma, a manutenção desse impasse por mais alguns dias impõe um viés de baixa para nossa estimativa de 2,2% de crescimento do PIB no primeiro trimestre do ano.

    Tendências de Mercado
    Os mercados acionários iniciaram a semana sem tendência única. As bolsas asiáticas encerraram o pregão em alta. As europeias operam próximas à estabilidade, enquanto os índices futuros sugerem queda nos EUA, após a falta de acordo no Senado. No mercado de divisas, o dólar perde valor ante as principais moedas.

    No mercado de commodities, as cotações do petróleo são negociadas em alta, após autoridades sauditas terem reafirmado sua intenção de manter o acordo de corte da produção na OPEP, a despeito da alta recente das cotações. As principais agrícolas operam em alta, mesma tendência observada para os preços dos metais industriais.

    Na agenda doméstica, teremos a divulgação dos dados semanais da balança comercial.

    Fonte: economiaemdia.com.br

Comentários